Fórum Mundial de Ciência tem segundo encontro preparatório

Pesquisadores se reúnem em Belo Horizonte para debater temas diversos relacionados aos desafios para o desenvolvimento científico e tecnológico

Belo Horizonte, 05 de novembro de 2.012 - O 2º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial de Ciência 2013 foi realizado em Belo Horizonte, nos dias 29 e 30 de outubro, reunindo pesquisadores e especialistas em diversas áreas.

Com o tema “Desafios para o desenvolvimento científico e tecnológico nos trópicos”, o evento foi realizado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e organizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), UFMG, Academia Brasileira de Ciências (ABC) e Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

O primeiro Encontro Preparatório para o Fórum Mundial de Ciência 2013 ocorreu em agosto na sede da FAPESP, em São Paulo. Estão previstas mais cinco reuniões preparatórias, em Salvador, Recife, Manaus, Porto Alegre e Brasília. O Fórum será realizado em novembro de 2013 no Rio de Janeiro.

No encontro em Belo Horizonte, o presidente da ABC, Jacob Palis, destacou que o evento representou um momento especial para o Brasil “Nossa ciência tem progredido e conquistado visibilidade mundial. Devemos aproveitar o reconhecimento e avançar”, disse.

Clélio Campolina, reitor da UFMG, falou sobre vantagens e desafios estruturais para o desenvolvimento no Brasil. “Temos muitas vantagens para avançar, como nossa extensa área territorial, os recursos naturais, a biodiversidade, a população, a identidade cultural, a estabilidade política e os avanços científicos recentes”, disse.

Evaldo Ferreira Vilela, professor da Universidade Federal de Viçosa e secretário Adjunto de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, falou sobre o agronegócio no país, destacando a Rede de Inovação Tecnológica para a Defesa Agropecuária (RIT), que conecta estudantes, pesquisadores e técnicos.

O professor Elíbio Rech, da Universidade Nacional de Brasília, falou sobre biotecnologia e engenharia genética aplicada à produção de alimentos, destacando o Brasil como um importante produtor de alimentos. Rech citou o avanço da eficiência produtiva brasileira e a necessidade de políticas públicas para viabilizar o uso de novas tecnologias, como a do DNA recombinante.

O Encontro também debateu os desafios e perspectivas da gestão de recursos hídricos nas cidades. Para Nilo de Oliveira Nascimento, professor na UFMG, é importante que as cidades invistam em infraestrutura adaptativa, capaz de dar conta, ao mesmo tempo, da preservação da água como recurso natural e de sua gestão nos serviços urbanos e nos planejamentos urbanísticos. “É vital, ainda, relacioná-la às especificidades dos índices de população e renda”, disse.

José Galizia Tundisi, presidente do Instituto Nacional de Ecologia, destacou o impacto do crescimento populacional nos recursos hídricos. “O mais significativo é o grau de urbanização. Esforços adicionais sobre a demanda de água nas cidades geram grande volume de resíduos, que têm, por sua vez, enorme impacto econômico”, analisou.

“O principal desafio diz respeito à população periférica das metrópoles”, disse Tundisi, mencionando a relação direta entre o valor do Produto Interno Bruto (PIB) de uma nação e os índices de acesso da população a fontes de água potável. “À medida que a população se diversifica, alteram-se os modos de consumo”, disse.

Mais informações sobre o encontro: www.fapemig.br 

Fonte: Agência FAPESP