A vitória de Franselmo
 

 

"Esta vai ser a única forma de acordar este povo" escreveu Francisco Anselmo Gomes de Barros, em uma de suas últimas cartas, ao amigo Alessandro Menezes. Franselmo optou por oferecer sua vida pelas causas ambientais e não estar aqui para ver o rumo do projeto que mudaria a lei e permitiria a instalação das usinas de álcool na Bacia do Alto Paraguai (BAP), região que abriga o Pantanal. Desde da época em que ainda vigorava a ditadura, lá estava Franselmo defendendo o Pantanal ciente de uma missão por se chamar Francisco, e ter recebido Francisco de Assis, o padroeiro da natureza como seu padrinho desde a pia batismal. Contrabando de transgênicos, hidrovia Paraguai-Paraná, crimes ambientais urbanos, pólos indústrias de alto potencial poluidor, e o estopim a usina de álcool no Pantanal Não!

O primeiro sinal de que Franselmo teria seu desejo atendido veio com o relatório desfavorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul para o Projeto Lei 170/05, por inconstitucionalidade. Na quarta-feira, 30 de novembro de 2005, o parecer foi votado, e o projeto arquivado. Diante da assembléia lotada de ambientalistas e universitários, 17 deputados acataram a decisão da Comissão e quatro votaram em defesa do projeto. Iracema Sampaio, esposa de Franselmo assistiu a votação do início ao fim e se emocionou: "meu marido deu a vida por um futuro melhor, essa foi uma vitória da humanidade".

Franselmo, como era chamado um dos mais antigos defensores da causa ambiental em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul e no Brasil, ou Cecéu para a família, parecia bem humorado naquela manhã de 12 de novembro de 2005, apesar de um certo olhar perdido e uma angústia escondida. Acompanhava, em uma das ruas mais movimentadas da cidade, o desenrolar de mais um ato público contra a instalação de usinas de álcool na Bacia do Alto Paraguai, região que abriga o Pantanal. Conversou com várias pessoas. Para um amigo, jornalista, disse que no próximo evento todos teriam de "queimar um boneco e enterrar o morto, o secretário de Estado de Produção e Turismo, Dagoberto Nogueira". Para um artista plástico baiano, que acabara de conhecer, deixou um enigmático: "fui!".

Ninguém associou, a princípio, que poderia ser ele o homem envolto em chamas depois de colocar dois colchões em forma de cruz, despejar dezenas de litros de gasolina, inclusive em si mesmo e saltar para o fogo decidido, de braços abertos. O ato que parecia ser mais uma performance artística, entre tantas que se desenrolavam no calçadão, na visão de comerciantes, únicas primeiras testemunhas, logo demonstrou sua verdadeira razão. Franselmo, para choque de todos, havia doado sua vida por causas que deixou muito bem expressas nas 18 cartas e bilhetes escritos de próprio punho para as pessoas mais próximas e a órgãos estratégicos da sociedade.

Até o final do dia, a notícia foi ganhando forma até tomar proporções de repercussão nacional e internacional. Depois de 23 horas de agonia em um hospital, com queimaduras em 98% do corpo, Franselmo morreu no dia seguinte, 13 de novembro. O poeta sul-mato-grossense Manoel de Barros indicaria, em carta destinada à viúva Iracema Sampaio, o sentimento que ficou travado no peito de muitos: "o que o nosso Franselmo fez é mais do que um protesto. Para mim tem o componente maior do heroísmo. Franselmo, o último herói do Brasil".

Franselmo fez questão de deixar registrado nas cartas, que foram cuidadosamente deixadas, algumas com uma comerciante no local e outras nas mãos de um amigo, que a sua imolação estava estritamente ligada a questões ambientais que há muito o angustiavam. Para a imprensa, o recado foi um dos mais contundentes. "Em termos de Brasil estamos vendo o barco afundar e ninguém diz nada. São os transgênicos entrando de contrabando pelo sul e o governo apoiando. São as queimadas da Amazônia e o governo impassível. É gente com terra do tamanho de um estado e é gente sem terra. É transposição do rio São Francisco no lugar de revitalização. No Pantanal, querem fazer do rio Paraguai um canal de navegação com portos para grandes embarcações e grandes comboios. E pólo siderúrgico e pólo gás químico". No final, alertava que um terço dos deputados estaduais era favorável à implantação de usinas de álcool na bacia do rio Paraguai, outro terço contrário e o mesmo número indeciso. "Já que não temos voto para salvar o Pantanal, vamos dar a vida para salvá-lo".

Ao prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho, alertou que a recém-criada Secretaria Municipal de Meio Ambiente não poderia ser de "terceira classe". Deveria, em sua opinião, ter reconhecida a sua devida importância para a "qualidade de vida". Aos professores, principalmente universitários, incentivou que os trabalhos escolares não podem ficar nas gavetas. "Vocês estão enganados. Ninguém tem tempo. Não podem usar a máxima que diz: façam o que eu digo e não façam o que eu faço". Como religioso,católico praticante, não se esqueceu dos "bispos, padres, pastores e pregadores em especial", até mesmo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus e o reverendo RR Soares. "Vocês precisam defender permanentemente o meio ambiente. A Terra ela é a verdadeira casa de Deus. Como líderes religiosos só vocês podem conscientizar o povo. Não tenho visto essa defesa, só em raríssimos casos. Pensem nisso!".

Mas são as cartas deixadas à família que eliminam qualquer indício de que outros fatores que não a defesa da causa ambiental teriam motivado Franselmo a doar sua vida nas chamas. Ao filho Alisson, 14, lembrou que também passou pelo trauma da perda do pai quando tinha a mesma idade. Às irmãs, Alda, Francélia e Joacélia ressaltou que, quando a mãe deu-lhe o nome de Francisco, involuntariamente teria lhe dado uma missão. "Tenho me dedicado a servir a Deus na defesa de sua casa como só um louco é capaz. Nada e nenhum problema me levaria a tomar esta decisão. Só pelo amor de Deus". Confessa que, enquanto decidia pelo ato, pediu a São Francisco de Assis, seu "padrinho por procuração na pia batismal", para que lhe fosse dado "uma luz" sobre o melhor caminho a seguir. "Tem muita lenda a respeito dos que atentam para a própria vida".

Para a sua esposa, Iracema Sampaio, com quem viveu uma história de amor intensa ao longo dos últimos 42 anos, a carta foi a mais extensa e direta. "Não fique se lamentando como uma viúva desconsolada. Você sempre foi uma guerreira, eu nunca neguei as suas qualidades. Você é uma forte", destaca, no ponto mais emocionante. Palavras perfeitas para descrever uma mulher que, mesmo sob o impacto da perda, apresenta argumentos com segurança e demonstra estar absolutamente consciente da imolação do marido por uma causa justa.

"Sempre tivemos uma vida modesta, vivíamos bem. Eu não via razão para isso, mas não dimensionei a grandiosidade do coração dele e vim sentir isso agora", relata Iracema. Ela define o marido como um homem de muita generosidade e parcimônia nos seus atos. "Então isso me machuca, mas tudo que eu penso dele agora são grandezas somadas".

Dos pequenos atos às grandes conquistas

Franselmo nasceu em Fortaleza, no Ceará, e foi para Recife na década de 1960 fazer um curso militar para cabo. Lá, conheceu o futuro cunhado de Iracema Sampaio e se tornaram amigos. Concluído o curso, os alunos podiam escolher onde gostariam de viver e escolheram Salvador, na Bahia. Lá, Franselmo conheceu o pai de Iracema e posteriormente, a filha. Ela havia retornado à Bahia após separar-se do primeiro marido. O casamento se concretizou oito anos depois. Iracema afirma ter gostado dele desde o primeiro dia, mas alega, brincando, que Franselmo, era "casado". "Ele gostava de outra e até usava uma aliança porque gostava tanto da outra que não queria que ninguém chegasse perto dele", conta.

Já naquela época, apesar de não estar engajado nas causas ambientais, Iracema percebia a admiração de Franselmo pela natureza. "Nesse tempo [década 1970], não havia esse termo ecologia, mas ele já era uma pessoa que procurava ambientes assim. Uma praia isolada que a gente ia era Arembepe [Bahia]. Ele subia nos coqueiros para pegá-los frescos e a gente fazer muqueca. No final de semana gostava de paz".

Quando deixou o serviço militar, Franselmo trabalhou em uma madeireira. Sentia-se feliz, porque a empresa usava técnicas de manejo, exploravam o jacarandá e as árvores tinham que ter o diâmetro adequado para serem retiradas. Se um pé fosse retirado, outra muda era plantada. "Ele não era contra o desenvolvimento, era contra a forma como é feito, desse jeito que a empresa fazia ele achava certo", esclarece Iracema. Quando mantinham um sítio em Salvador, o marido não usava agrotóxicos para cuidar das plantas. Sinais de uma luta que deixaria o círculo familiar para ganhar proporções bem maiores.

No final da década de 1960, quando passaram pelo sul da Bahia, perceberam que a Mata Atlântica estava sendo devastada, isso o entristeceu muito. A retirada estava muito diferente de quando trabalhou na madeireira, estavam queimando e usando correntão, uma forma de desmatamento que usa dois tratores ateados a uma corrente que se arrasta pela mata, arrancando tudo que está no solo.

A militância só começou a fazer parte da vida de Franselmo quando se mudou para Campo Grande (MS), em 1977. As dificuldades para trabalhar na Bahia incentivaram a mudança. "Logo no início fomos recebidos com muito carinho e ficamos por aqui". A paixão pelo Pantanal foi à primeira vista. Em 1978, foram conhecer Bonito e o Passo da Lontra, vila que fica às margens da estrada-parque do Pantanal, no município de Corumbá, a 310 quilômetros de Campo Grande. Iracema Sampaio conta que, certa vez, em uma baia do Pantanal cantarolaram uma música. Alguns pescadores ouviram e aplaudiram. Foi o que bastou para que um bando de pássaros saísse de dentro do mato e ficasse sobrevoando sobre as cabeças de todos. "Saiu biguá, colhereiro e garça. Mas uma quantidade que você não imagina. Eles ficaram voando assim, sobre a gente, em círculo, aquelas cores branca, cinza, preta e vermelha. Franselmo parou e disse: isso é uma obra de Deus, não pode existir uma coisa mais bonita", relembra com alegria Iracema. Todas as pessoas que vinham visitar a família, Franselmo levava para o Pantanal. Lá ficava com os braços debruçados na janela e o olhar perdido e dizia: "Isso é coisa que não se pode destruir". Nos pequenos gestos Iracema via a devoção do marido pela natureza.

O despertar para o movimento ambientalista se deu justamente pelo amor ao Pantanal. A proposta de instalação de uma usina no Pantanal, a oeste do Estado, chamada de Usina da Bodoquena, fez com que Franselmo procurasse as pessoas que estavam se mobilizando contra a proposta. Iracema relembra que era tudo voluntário. "Ele ficava só na retaguarda, fazendo cartazes e faixas, jornal. Eu fazia arroz carreteiro em casa e na rancharia, para arrecadar recurso para o movimento, ele começou assim e não parou mais". Artistas da cidade de Campo Grande também participavam fazendo shows e doando a bilheteria para o movimento.

Maria Helena Brancher, jornalista da Fuconams (Fundação para Conservação da Natureza de MS), conta que foi um momento especial, pois as manifestações eram em plena ditadura. "E nós éramos articulados com outros movimentos do país. Mas foi depois de uma matéria feita pelo Globo Rural que o Brasil viu a maravilha que era o Pantanal. Aí passamos a receber sacos de cartas com assinaturas apoiando o abaixo-assinado. Tinha cartas de todos os rincões deste Brasil".

Franselmo passou, então, a dedicar à questão exaustivamente. Tanto que Iracema cobrava, carinhosa: "Marido pára um pouquinho com o meio ambiente, me dá um pouquinho de você, quero você perto de mim". Aí ele desligava o computador e ficava junto dela. Através do diálogo, buscava esclarecer aos empresários interessados em implantar a usina que a idéia seria desastrosa para a região pantaneira. Inclusive viajou com eles para mostrar as belezas e as fragilidades do Pantanal. Franselmo também foi incentivador da criação da Ame (Associação Mato-Grossense de Ecologia), a primeira entidade ambientalista de Mato Grosso. Mesmo sem o registro jurídico em 1978, a Fuconams já existia, foi a primeira entidade ambientalista de Mato Grosso do Sul. O Estado foi dividido em 1977 e oficialmente criado em 1978, por decreto do então presidente Ernesto Geisel.

A mobilização da década de 1980 contra a usina na Bodoquena resultou em lei, que desde 2003 o governo do Estado pretendia. "Nós tínhamos apoio dos políticos da época. Inclusive, pode até parecer estranho, mas o governador do Estado, o Zeca do PT, participava conosco. Ele ia nas reuniões e manifestações representando o Sindicato dos Bancários", relembra Iracema com indignação. Para Franselmo, a aprovação da lei, na época, teve o sabor de uma vitória. Ele sentiu-se feliz pela conquista. "Dizia: olha o povo está despertando, sentia-se vitorioso", lembra.

Até então, Franselmo não havia ocupado nenhum cargo na Fuconams. Trabalhava bastante, mas preferia ficar nos bastidores. Acabou aceitando o posto de vice-presidente por pressão dos amigos e assumiu a presidência quando o gestor da época precisou sair da cidade para estudar. Maria Helena diz que na década de 1980 o movimento ambientalista e a Fuconams trabalhavam por todas as questões que agredissem o meio ambiente. Podiam ser lutas localizadas, como a da arborização em Campo Grande, ou nacionais, como as usinas de álcool no Pantanal e a hidrovia Paraná-Paraguai. "Era uma época de expansão econômica do Estado e chegava muita gente, vinham do Rio Grande do Sul, compravam uma fazenda grande, e não tinha técnicas adequadas, o desenvolvimento era a qualquer custo, usavam o correntão para desmatar", lembra Maria Helena com pesar pela destruição do Cerrado.

No dia 5 de junho de 1981, uma grande caminhada com cerca de 10 mil pessoas consagrou o movimento contra à usinas e foi a primeira vez que aconteceu uma manifestação desta dimensão no Brasil por uma questão ambiental. A mobilização foi destaque nacional, não havia esta tradição e a partir do trabalho voluntário e da paixão pela causa os ambientalistas conseguiram aprovar a lei que impede as usinas na Bacia do Alto Paraguai. O Estado passou a ser uma referência em legislação ambiental, que praticamente não existia no país. Deste movimento surgiram os estudos técnicos que ajudaram a consagrar o Pantanal pela Constituição de 1988 como Patrimônio Nacional. No Mato Grosso, apesar da legislação permitir, alguns empresários desistiram da instalação de usinas de álcool depois que fizeram visitas técnicas com professores universitários e os ambientalistas.

Nos últimos anos, além da luta contra as usinas de álcool, Francisco se dedicava ao Fórum de Meio Ambiente e Desenvolvimento de Mato Grosso do Sul, ao Conselho Municipal de Meio Ambiente e participava de uma série de outras redes, fóruns, conselhos. Era voltado a construção de políticas públicas, levava sugestões aos governantes, mais do que isso era uma referência para seus amigos e conhecidos quando o assunto era defender a natureza.

A Executivo Plus, revista fundada por Iracema em 1983, desde o primeiro número já tratava de questões ambientais e seguiu escrevendo artigos nas mais de 120 edições. Em 1986, o trabalho já era citado, o Governo Federal editou um livro do II Encontro Governo-Sociedade: Cidadania e Meio ambiente e publicou duas reportagens de Franselmo. Outra preocupação era com os anunciantes, se a empresa poluía, preferia ficar sem o anúncio para que não parecesse que estavam querendo calar suas denúncias e preocupações.

Ensinava aos sobrinhos, filhos e amigos as relações de interdependência da natureza. Salvava passarinho, brigava pelas árvores, pelas praças, um grande defensor de um ambiente urbano saudável. "Era qualquer problema ele estava lá, o pessoal ligava para falar com ele, o telefone não parava. Ele pegava muda de ipê,trazia e ia plantar por aí, via uma muda de abacateiro e ia plantar nas praças", diz Iracema.

Denunciou as podas mal realizadas na cidade que deixavam as árvores frágeis e levavam à morte certa. Além disso, a retirada indiscriminada destas árvores, para que os logradouros das lojas ficassem mais visíveis, foi outra preocupação. Os ambientalistas perceberam que alguns lojistas envenenavam as árvores e usavam como argumento a "doença" para conseguir a licença de retirada. "Num artigo ele dizia que reparou que todas as lojas que fizeram isso acabaram fechando as portas", conta Iracema.

Na época de poda em Campo Grande, o telefone da casa do ambientalista não parava de tocar, as pessoas pediam que ele fosse ver o que estava acontecendo e também que cobrasse dos governantes. E ele cobrava, ligava para prefeito, secretário pedindo resoluções. Mas mesmo cobrando, era calmo. Maria Helena conta que "era uma pessoa conciliadora, sempre trabalhou a diversidade. Quando a gente ficava querendo criar inimizade, ele vinha e conciliava, tentava ver que cada um tinha um lado, e dizia que tínhamos que estar com aqueles que partilhavam da mesma identidade".

Uma voz que não vai se calar

Nem os amigos, nem a família perceberam qualquer modificação no comportamento de Franselmo nos últimos tempos. Na semana anterior ao ato, todos descreveram que ele estava "normal". Ele tinha três filhos adotivos. O mais novo, Alisson, de 14 anos, discorda da atitude do pai. "Ele era muito brincalhão, nunca podia imaginar que pudesse fazer isto. Não vai adiantar nada, as coisas não mudaram".

Iracema Sampaio acredita que as cartas foram escritas de uma só vez, na véspera do ato. "Eu não vi porque eu fui deitar mais cedo. Ele ligou para as irmãs na noite anterior, normalmente, como fazia antes. Chegou a fazer um documento para o senador Ramez Tebet, foi a última coisa que ele fez na sexta-feira". A viúva relatou que Franselmo parecia tão tranqüilo que ninguém percebeu nenhuma alteração em seu comportamento. "Ninguém notou nada, nenhum aborrecimento, tudo estava absolutamente normal. Teve até uma senhora que precisava de um remédio e antes de sair para a manifestação ele ligou lá para Fortaleza para pedir o nome do remédio. A Maria [trabalha com a família há 18 anos] notou que ele foi para a manifestação com uma calça que não usava há muito tempo".

Na última noite, Franselmo dormiu abraçado ternamente com a sua esposa. No dia seguinte, antes de sair, deu-lhe um beijo caloroso na boca. Iracema conta que comentou com uma amiga o sentimento de que uma "nova lua de mel" se aproximava.

Em novembro as grandes alegrias do casal se concretizaram, foi o mês que se conheceram, que começaram a namorar e oito anos depois do primeiro encontro, foi em novembro de 1972, que se casaram. "Eu lembrei disso e por isso até achei que a gente ia viajar no fim do ano". O casal gostava de viajar para planejar a próxima etapa da vida, mas depois que adotaram Alisson e também o fluxo intenso de trabalho não estava permitindo. "Nosso filho já está grande, então achei que seria agora".

No dia da manifestação, chegou a questionar o fato de Franselmo ir para o local com uma Kombi e não com outro carro. Dentro do veículo já estavam acomodados os galões de gasolina e os colchonetes. "Ele falou que precisava levar uns cavaletes e disse para o pessoal que ia queimar um boneco. Ele estava assim, rindo". No último diálogo, Iracema relembrou o novembro de 1962 e perguntou ao marido se lembrava aonde eles se conheceram. "Lembro, foi no Parada Hotel". Não satisfeita Iracema perguntou: "Mas onde?". Cecéu disse: "no restaurante". Com bom humor Iracema desafiou: "Seu mentiroso foi no elevador!". Franselmo disse então suas últimas palavras: "Mas nós só conversamos no restaurante", "e aí ele saiu", conta emocionada.

Quando os amigos descobriram que a pessoa que havia se atirado nas chamas não fazia uma performance, e sim, era o Franselmo, correram para a casa do casal para que a notícia não chegasse de forma brusca, em um dos muitos telefonemas que passaram a ressoar. Com cuidado, disseram que ele havia sofrido um acidente. "Quando eu recebi a notícia, achei que a polícia tinha interferido na manifestação e alguém havia atirado nele. Eu tinha medo de que alguém o matasse, quando ele estivesse vindo para casa, aqui é meio isolado. Sempre dizia para o Franselmo: tenho tanto medo quando você sai". Iracema conta que, ao saber da verdade, a princípio entrou em "pânico, desespero", vivenciando um sentimento de revolta momentâneo. "Na hora eu só dizia: marido, porque você me deixou, você não pensou em mim e no seu filho. Eu comecei a chorar e a tomar remédios e pensei que ia ter um troço. Mas quando li as cartas, comecei a entender".

Iracema tem certeza que não foi por descontentamento com a família ou com a vida que ele tomou a decisão, porque nas cartas ele mostra que se preocupou com todo mundo. Fazendo uma visita a casa da família, percebe-se que sob aquele teto havia muito amor, bom humor e cumplicidade. Casa sempre cheia de amigos, ali funciona a Fuconams, a empresa de culinária de Iracema e também a revista Executivo Plus. Jamais Franselmo havia elogiado atitudes extremas, quando o bispo Luiz Cappio fez greve de fome pelo rio São Francisco ele acompanhou "normalmente, como todo mundo", esperava que desse algum resultado, mas não acreditava muito, estava descrente porque já havia depositado sua esperança no governo Lula e no Zeca do PT e se decepcionou. Inclusive vestiu a camisa da campanha de forma voluntária, ia nas reuniões como convidado para ajudar a elaborar o programa do governo estadual. "Tinha a convicção que eles não deixariam destruir o Pantanal". A decepção veio logo com o ressurgimento da idéia da Hidrovia Paraguai-Paraná.

Como bom conhecedor da mídia e do movimento ambientalista, Franselmo sabia a dimensão de seu ato, mas mesmo assim deixou em uma das cartas que "o resultado ia depender da repercussão", pedindo que seus amigos jornalistas ambientais dessem a devida divulgação. A questão da usina foi o estopim de suas angústias, mas ele deixou claro que estava preocupado com o rumo do desenvolvimento.

Sua esposa não condena a atitude, apesar da saudade que é vista em cada história contada, em cada gesto de lembrança, ela vê grandeza em seu gesto. Examinando a vida da família, sempre cheia de carinhos e de muita conversa, Iracema tem certeza que foi por amor à vida e para mostrar através da repercussão que os ambientalistas não são poucos. "O Pantanal para ele era um pedaço da casa de Deus, da Terra, ele se deu em sacrifico para salvar a casa de Deus. Então esse homem não cometeu um suicídio, ele não foi uma pessoa que cometeu um desatino, ele foi consciente".

Se depender de Iracema e dos amigos o sacrifício não será em vão. "Ele fez sabendo e querendo isso, para mostrar aos governantes que o mundo não dorme, não fecha mais olhos para esse tipo de coisa. Ele cansou de falar de gritar, a voz dele não era ouvida!", emociona-se Iracema.

O filho Alisson, acha que poderá entrar no movimento ambientalista mais tarde quando estiver mais velho. Iracema lembra que ao ver as denúncias de corrupção na televisão, Franselmo garantia ao filho que sempre lhe daria orgulho, pois isso jamais ele faria e não entendia como as pessoas que só pensam em dinheiro conseguiam dormir e encarar a família.

Nos últimos meses, Franselmo estava visitando escolas, sendo bastante convidado para falar sobre meio ambiente. A esposa quer continuar este trabalho, porque acredita que isso era o mínimo que ele esperava dela, vai reservar alguns dias da semana para ir de escola em escola levando uma mensagem aos jovens. "Nós tivemos nossa vida de casal normal, um casal que nunca se separou, que sentia saudade um do outro. Se viajava a gente se falava, até mais de uma vez por dia. Eu sentia falta dele, mas eu não vou sentir raiva, não vou ser egoísta, não vou medir as coisas que eu tenho que fazer, quer dizer, vou medir dentro da coerência, dentro do que é justo e certo, que era assim que ele prosseguia, assim que ele era".

Anexos
 

Cartas de Franselmo

Professores

Principalmente os das universidades. Vocês não estão engajados. Ninguém tem tempo. Não podem usar a máxima que diz: façam o que eu digo e não façam o que eu faço. Não adiante deixar os trabalhos nas gavetas. É preciso motivar os alunos.

Eu me referi principalmente aos professores universitários, mas os do 1º e 2º graus são muito importantes.

Meu querido Alessandro [presidente da Ong Ecoa], esta vai ser a única forma de acordar esse povo. Se a imprensa quiser estes dados, fale com o Allison e a Patrícia [jornalistas] para divulgarem. O efeito vai depender da repercussão.

Nelsinho Trad [prefeito de Campo Grande]

Sei que você pegou uma secretaria que não estava nos seus planos. Espero que você entenda a importância dela para a qualidade de vida. Peça ao [secretário municipal de Meio Ambiente] Frederico Freitas que mostre a você as sugestões que eu dei a ele.

Não deixe a secretaria de Meio Ambiente ser uma secretaria de 3º classe. A ser isso é melhor voltar a ser o que era antes [não existia esta secretaria]

Boa sorte

Aos bispos - padres - pastores e pregadores em especial

Bispos da CNBB
Núncio Apostólico
Bispo Edir Macedo
Reverendo R.R.Soares
Paiva Neto e outras ordens

Vocês precisam defender permanentemente o meio ambiente. A Terra ela é a verdadeira casa de Deus. Como líderes religiosos só vocês podem conscientizar o povo.

Não tenho visto esta defesa. Só em raríssimos casos. Pensem nisso!!!

Imprensa

Meus queridos pares

Nós fomos pioneiros no Brasil na questão do meio ambiente. Hoje somos passados para trás pelos interesses de maus políticos, maus empresários e os PHDs de aluguel. Em termos de Brasil estamos vendo o barco afundar e ninguém diz nada. São transgênicos entrando de contrabando pelo Sul e o governo apoiando. São as queimadas da Amazônia e o governo impassível. É gente com terra do tamanho de um Estado e é gente sem terra. É a transposição do rio São Francisco no lugar de revitalização. No Pantanal querem fazer do rio Paraguai um canal de navegação com portos para grandes embarcações e grandes comboios. E o pólo siderúrgico e pólo gás-químico. Agora querem fazer usinas de álcool na bacia do rio Paraguai. 1/3 dos deputados a favor, 1/3 contra e 1/3 sem saber o que é. Já que não temos voto para salvar o Pantanal, vamos dar a vida para salvá-lo.

Ambientalistas e amigos

Foi difícil tomar esta decisão de consciência. A minha vida sempre foi um sacerdócio em defesa da natureza. Ela é a nossa casa e o presente maior de Deus. Se ele deu a vida por nós, eu estou dando a vida por ele. Defendendo o futuro dos nossos filhos. O mundo corre perigo e esta é a minha modesta contribuição. Vejam só um exemplo:

Nós só temos 10% de cerrado. Já acabaram com 90% e quando nós vamos defender os 10% o mundo vem abaixo. O poder e a usura pelos bens materiais parece ser uma coisa diabólica.

Anselmo

Texto de Alexandre Maciel e Yara Medeiros, com a colaboração de Allison Ishy, jornalistas de Campo Grande, MS, para a Revista Digital Comunicação em Agribusiness e Meio Ambiente - vol. 2 número 3 - Dezembro 2005

Fonte:
www.ecoagencia.com.br