O celular causa dependência orgânica

 



Niterói, abril de 2.004 - Todos nós temos um relógio biológico. Este relógio biológico na verdade está no nosso cérebro em determinada região.

Tudo é um costume, o ser humano cria um hábito na hora de comer, dormir etc... Justamente estes hábitos ficam registrados em nosso cérebro que avisa e cobra em nosso organismo de diversas formas: no caso da fome o estômago começa a trabalhar de uma maneira em que a pessoa tem que se alimentar. Esses estímulos são enviados a partir do sistema nervoso, comandado pelo cérebro.

 

A hora em que despertamos, comemos, tudo é função do cérebro, mas é claro que tudo é adaptável, basta mudar os hábitos que novamente o cérebro se readapta, mas alguns efeitos a pessoa sofrerá no inicio pela sua readaptação a nova rotina, pois o nosso sistema nervoso reclama até que se readapte a novidade.

Vamos agora ao princípio da dependência. Não só sofremos males por abstinência da dependência química e sim pelo hábito em não ingerirmos alimentos do qual estávamos acostumados a usar. Um exemplo do leite, é que se algumas pessoas se abstém por um longo tempo e depois voltam a consumi-lo terá diarréia, pois o organismo estranha a substancia e como o leite tem lactose é normal isso acontecer, pois a flora intestinal juntamente com o sistema nervoso vai identificar a substância. Outra coisa é que se você corta algumas substâncias tal como açúcar começa a haver no início tonteiras e depressões, justamente porque necessitamos de açúcar para o cérebro trabalhar melhor. Muitos casos já foram relatados por falta de açúcar sendo um deles Hipoglicemia, falta de açúcar no organismo. 

Os neuromoduladores trabalham e se adaptam a toda rotina, em que o organismo é submetido. O caso de dependência química é comum, pois usuário ou o alcoólatra quando ingere determinada substância no organismo, o cérebro se arma no início com sintomas de tonteiras, falta de apetite “anorexia” e depois se rende e se adapta a nova rotina.

Desde então começa o ciclo silencioso de dependência química, do qual usuários de determinadas drogas ou hábitos só sentirão depois que mudarem a rotina e os horários da ingestão de substâncias.

Começa após isso tudo a aparecerem efeitos desagradáveis, tal como, insônia, depressão, mudança de hábito na digestão, agitação e vários outros sintomas, pois varia de cada pessoa, pois cada organismo responde de acordo com o que está habituado.

Toda reação e adaptação está em nosso cérebro e o nosso organismo se adapta até ao cheiro do ambiente e depois a pessoa se acostuma com o cheiro. A função do cérebro em se readaptar é feita. 

No caso do celular, é a mesma coisa, pois emite radiações em demasia e está cada vez mais perigoso, pois os novos sistemas estão operando na faixa de 2,5 GHZ, essa freqüência é muito perigosa em relação aos digitais que operam na faixa de 900 MHZ. A freqüência dos celulares, está na faixa do microondas que é de 2.45 GHZ.

Imaginem um microondas na sua cabeça!

Agora entra o pior que é a dependência pela radiação. A freqüência do celular realmente ataca o sistema nervoso central e gera novos hábitos ao cérebro, pessoas que sentem muitas dores de cabeça geralmente são usuárias iniciais e depois não passam mais a senti-las, pois o cérebro se adapta as radiações.

Para melhor explicar, os neuromoduladores fazem o papel de identificar e dar o sinal verde para tudo, mas se vier a faltar substâncias, os neuromoduladores começarão a cobrar isso do usuário e essa cobrança silenciosa é bem perigosa e dificilmente seria identificada, pois a radiação se tornou um habito e depois faltou.

Em nossa vida, a forma em que nos sentiremos, os efeitos de qualquer substância em nosso organismo, está ligado ao nosso sistema nervoso. 

O cérebro se condiciona...

É como um animal. Quando se coloca comida no horário exato durante uns dias, ele passa a ir comer, mesmo que não tenha comida ele vai, com o passar do tempo ele desiste, ou melhor o cérebro dele reage com uma instrução em que não existe comida, mas antes disso o animal passa mal. Agora pode se notar que o cérebro dele havia criado um condicionamento a essa regra.

A abstinência tem variados efeitos sendo um deles de fator psíquico, tensões, tonteiras, dor de cabeça, stress. Tudo isso causa no fim do uso. Durante o uso podem surgir dores de cabeça, pois a radiação provoca esses sintomas. 

Posso confirmar que a pessoa deixando de usar celular com certeza sofrerá de síndromes de abstinência dos menores que seria irritação até stress e tonteiras inclusive depressões, pois quando os neuromoduladores começam a sentir a falta da radiação, e inicia com descargas elétricas no cérebro e isso vai se espalhando por varias regiões, pois cada uma controla um local especifico de nosso corpo, tal como, humor, movimentos, visão em geral. Em relação a isso tudo as pessoas sofrem essas disfunções. 

É o resultado da dependência orgânica causada pelo celular.

Fonte: Luiz Augusto Lima, consultor ambiental em Niterói-RJ -

luiz@lpmaster.com