O deserto verde

Inicial Textos Glossário Links
O latifúndio do eucalipto - A Insustentável Produtividade da Celulose.
A verdadeira selvageria: utilizar extensões de terra para uma monocultura que agride o país ambientalmente, gera lucros para uma minoria e em nada contribui para combater a desigualdade social, ainda não foi percebida pela “elite pensante”.

Detalhes aqui
Eucalipto não recupera biodiversidade amazônica. Artigo de Nelson Tembra.
Detalhes aqui
Eucalipto: monocultura e insustentabilidade ambiental. - Artigo de Wagner Giron de La Torre, Defensor Público no Estado de São Paulo.
Detalhes aqui
Do Rio a Joanesburgo: agricultura ecológica reduzindo a fome e atingindo metas ambientais. -  Brian Halweil. -
Detalhes aqui
Promotor público em SP fiscaliza o agronegócio da monocultura (um verdadeiro desafio), promove ações de defesa ambiental, prega "horizonte utópico", - reforma agrária com preservação ambiental -, e busca soluções no Judiciário. Entrevista com Marcelo Pedrosa Goulart, Promotor de Justiça em SP, ao FolhaOnline.
Detalhes aqui
Defensoria Pública entra com ação questionando devastações ambientais pela monocultura do eucalipto nas cidades de Taubaté e Redenção da Serra, em SP.
Detalhes aqui
Desertos avançando e civilização recuando. Uma radiografia da desertificação no mundo.
Janet Larsen

Detalhes aqui
Absurdo da Agricultura Moderna. Dos fertilizantes químicos e agrotóxicos à biotecnologia.
José A. Lutzenberger
Detalhes aqui
Manifesto contra o deserto verde e a favor da Vida.
Detalhes aqui
Violação de Direitos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais na Monocultura do Eucalipto: a Aracruz Celulose e o Estado do Espírito Santo, Brasil.
Detalhes aqui
O lado escuro do papel. O papel continua na lista dos produtos de maior impacto ambiental. Para minimizar os danos, consumidores precisam rever seus hábitos de consumo e exigir mudanças no modo de produção.
Detalhes aqui
Oito respostas a oito meias verdades do Senador Gerson Camata. Aos deputados estaduais, deputados federais e senadores capixabas.
Detalhes aqui
CARTA DE PORTO SEGURO. Autoria: representantes de comunidades quilombolas, Tupinikins, Pataxós, Guaranis, pescadores e campesinas, e dezenas de entidades, presentes ao II Encontro Nacional da Rede Alerta Contra o Deserto Verde, movimento que luta contra a expansão da monocultura do eucalipto para produção de celulose e carvão vegetal no Espírito Santo, Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
Detalhes aqui
Carta de Repúdio à compra de terras pela Aracruz Celulose, no Espírito Santo.
Detalhes aqui