O efeito estufa

Inicial O que é o efeito estufa As bases físicas Os gases Impactos do desmatamento Impacto das mudanças climáticas Impactos sobre o Brasil As reações da comunidade internacional Protocolo de Quioto

Os gases causadores do efeito estufa
 

Os principais gases-estufa hoje presentes na atmosfera são:
 

Dióxido de carbono (CO2) - é o principal deles, contribuindo para o aquecimento global com cerca de 50%. Suas principais fontes antropogênicas são a queima de combustíveis fósseis e o desmatamento. Sua concentração hoje é de aproximadamente 353 ppm (partes por milhão); antes da Revolução Industrial, era de 280 ppm (figura 8). Isso representou um acréscimo de 25%.

Nos dias atuais, a queima de combustíveis fósseis lança anualmente na atmosfera cerca de 5,7 gigatoneladas (Gt) de carbono, e a derrubada e queima de florestas outras 2 Gt (uma gigatonelada é igual a um bilhão de toneladas). Cerca de 75% da queima de combustíveis fósseis ocorre nos países desenvolvidos. Os oceanos e a biota terrestre, por sua vez, retiram uma parte desse carbono, ocorrendo um acúmulo líquido na atmosfera de cerca de 3 Gt anualmente (figura 9).

Figura 8. Concentrações de CO2 na atmosfera medidas em Mauna Loa, Havaí, a partir de 1958.

Desde de 1860 o homem já lançou l75 Gt de carbono na atmosfera, grande parte após a II Guerra Mundial (figura 10). As reservas comprovadas de carvão e petróleo contêm em torno de 4000 Gt de carbono (tabela 1). A queima dessas reservas triplicaria os teores de CO2 na atmosfera, o que poderá provocar uma grande alteração climática no planeta.

Figura 9. Fluxo anual de carbono, em gigatoneladas.

Figura 10. Aumento do consumo de combustíveis fósseis a partir da Revolução Industrial e consumo mundial de energia hoje.

Tabela 1 - Quantidade de carbono no sistema climático (em GT)

CO2 atualmente na atmosfera

 750

CO2 na atmosfera pré-industrial

 575

Liberação anual atual da queima de combustíveis fósseis 

 + 5

Liberação anual atual pelas queimadas e pelo desmatamento

 2

Quantidade de carbono estocado em toda biomassa do globo (todos os vegetais)

 560

Carbono no carvão e no petróleo recuperáveis

 4.000

Carbono em combustíveis fósseis potencialmente recuperáveis

 5.000 - 10.000

Metano (CH4) - é o segundo gás-estufa em importância, contribuindo com cerca de 18% do aquecimento global. Sua concentração está hoje em torno de 1.72 ppmv (partes por milhão por volume), aumentando a uma taxa de 0.9% ao ano (figura 11). O CH4 é produzido durante o processo de decomposição bacteriana anaeróbica (na ausência de oxigênio). Suas principais fontes antropogênicas são as plantações de arroz, os animais domésticos (rebanhos de ruminantes, como os bovinos), os vazamentos de gás natural na indústria petrolífera e os aterros sanitários.

Figura 11. Aumento da concentração de metano na atmosfera.

Óxido nitroso (N20) - contribui com cerca de 6% para o aquecimento global. Esse óxido é produzido no solo, estimando-se provirem daí 90% das emissões globais. Observou-se que seu potencial de absorção térmica é 150 vezes maior do que o do CO2. Suas principais fontes antropogênicas são o uso exagerado de fertilizantes nitrogenados e a queima de biomassa.

Clorofluorcarbonos (CFC-11 e CFC-12) - contribuem com cerca de 14% para o aquecimento global. Sua concentração hoje é de aproximadamente 280 pptv (partes por trilhão por volume), para o CFC-11, e de 484 pptv, para o CFC-12. As principais fontes de CFCs são os vazamentos durante seu emprego na refrigeração e produção de espumas e aerossóis. Uma molécula de CFC tem o mesmo efeito estufa de 10.000 moléculas de CO2.

Outros compostos, como o ozônio troposférico, o vapor d’água e certos halogêneos, contribuem com 13% para o aquecimento global (figura 12).

Figura 12. Contribuição percentual dos diferentes gases-estufa para o aquecimento global, verificada na década de 1980.