Sugestões de leitura

Inicial Outras editoras Envie sugestões

Açúcar: o perigo doce
Autor: Fernando Carvalho
Editora Alaúde
- 352 pags - R$ 34,00 a 42,00

Trinta anos depois do sucesso editorial do lendário “Sugar Blues”, de autoria do jornalista americano William Dufty, o movimento que aponta o açúcar como o vilão responsável pelas epidemias de cárie dentária, obesidade, diabetes e outras que assolam o mundo moderno, ganha novo impulso com o lançamento de "Açúcar: o perigo doce", do historiador Fernando Carvalho.

A abordagem do livro privilegia os aspectos histórico e patológico do açúcar. Para Carvalho, o açúcar é a substância agressora do metabolismo que contamina a dieta do homem contemporâneo transformando-a na ração patogênica que empurrou a humanidade para a era das doenças crônicas e degenerativas.

Produzido desde a Antiguidade por indianos e persas, o açúcar chegou ao Ocidente por volta do século X como especiaria exótica e caríssima. De lá para cá, popularizou-se, passou a ser fabricado em grande escala e desempenhou um papel central na história recente da humanidade. Seus dias de glória, porém, parecem estar contados. Os especialistas em saúde começam a tratar o açúcar como um veneno digno de ser banido do nosso convívio. E é justamente isso o que defende Fernando Carvalho neste livro: se quisermos nos livrar das epidemias de cárie dentária, obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e de dezenas de outras enfermidades crônico-degenerativas às quais estamos vulneráveis nos dias de hoje, devemos expulsar da mesa esse corpo estranho, de aparência alva e inocente, que apesar de doce é altamente nocivo.

“Se eu tivesse de escolher um único fator causador – o maior responsável – pela epidemia de obesidade que se espalhou pelos países ocidentalizados, este seria o consumo excessivo de açúcar refinado.”
Dr. Robert Atkins

“Depois de 20 anos de pesquisas, concluí que o envelhecimento se deve a inflamações causadas por substâncias tóxicas. O açúcar é um dos grandes vilões nesse processo.”
Dr. Nicholas Perricone, dermatologista que criou o DMAE, substância que revolucionou os cremes de beleza.

"O Brasil continua sendo o país em que se encontram as maiores propriedades do planeta, extensões de terra nas quais cabem países europeus.

Não à toa é no Brasil que existe também o maior movimento de trabalhadores sem terra do mundo, agricultores que não dispõem de uma nesga de terra para plantar, num país de dimensões continentais.

A monocultura, em linhas gerais, continua. Talvez seja melhor falar em oligocultura, posto que outras culturas entraram na concorrência: laranja, café e soja. O Brasil tem vocação para ser o grande celeiro do mundo. Ainda hoje é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar.

O trabalho não é mais escravo desde 1888, embora de vez em quando apareçam na imprensa denúncias da prática da velha e humilhante forma de escravidão por dívidas ou em troca de um prato de comida.

Nas modernas usinas de açúcar as condições de trabalho não mudaram muito em relação ao antigo engenho colonial, tanto que o ambiente do engenho o padre Vieira o chamou de doce inferno e os trabalhadores da usina chamam de vapor do diabo a neblina quente que impregna a fábrica e que eles respiram.

E lá fora no canavial ainda existe o trabalhador temporário, o bóia-fria, alusão à marmita que ele não tem o direito de esquentar para comer.

A destruição da natureza continua, lixiviação do solo, devastação de matas ciliares, contaminação de águas, solo e alimentos.

As grandes extensões de plantação de cana continuam a fazer o mesmo mal ao ecossistema que sempre fizeram. O capim gerador de açúcar e álcool continua a se expandir substituindo culturas de alimentos. E agora com a ajuda da ciência estão pretendendo transformar a região do cerrado brasileiro num imenso canavial de cana transgênica.

Para produzir mais de 15 bilhões de litros de álcool e conseqüentes quase 200 bilhões de litros de vinhoto151, quase 25 milhões de toneladas de açúcar, o Brasil sacrifica quase 5 milhões de hectares de terra fértil e gera uma cordilheira de bagaço de cana. São perto de 500 milhões de toneladas de cana que viram bagaço. Agora mesmo a ditadura do açúcar está tentando viabilizar uma indústria poluente de geração de energia a partir da queima desse bagaço.

A agroindústria da cana de açúcar já está instalada no Mato Grosso do Sul. O problema é que os usineiros queriam ampliar seus negócios e leis estaduais estavam obstaculizando seus planos. Zeca do PT então enviou à Assembléia Legislativa um projeto de lei que facilitaria a vida dos usineiros. Marina Silva, sabendo disso, fez oposição.

Zeca do PT tentou desqualificar a ministra acusando-a de ter um ponto de vista amazônico e de não conhecer a realidade do Pantanal. Ora, amazônico significa amplo, sem querer Zeca elogiou a ministra. Já ele revelou-se um pangaré de antolhos no que diz respeito à ecologia.

Recentemente uma usina despejou um caldo num rio matando os peixes. Alguém da usina disse que era melaço, mas provavelmente era vinhoto, resíduo poluente. Para cada litro de álcool produzido restam 15 litros desse produto.

Do altiplano, onde seriam instaladas as usinas, partem importantes afluentes dos rios Paraná e Paraguai. Para cada litro de álcool produzido sobram uns 15 litros de um subproduto poluente: o vinhoto. Sem contar os herbicidas, pesticidas e fertilizantes utilizados nos canaviais. Conhecendo a consciência ecológica do agronegócio brasileiro, o destino desse material poluente seriam os rios. Seria o começo do fim do Pantanal Matogrossense.

Diante do poderoso grupo de pressão das indústrias de açúcar e do fato de que Zeca do PT contar com a maioria dos deputados, a violência contra o Pantanal parecia líquida e certa. Para barrar esse processo o militante ecológico, Francisco Anselmo Gomes de Barros, conhecido como Franselmo, ateou fogo ao próprio corpo durante manifestação popular de protesto contra a instalação das usinas, na cidade de Campo Grande, em 13 de novembro de 2005.

Franselmo imolou a própria vida para salvar a natureza. Nas cartas que deixou ele dizia: Hoje somos passados para trás por interesses de maus políticos, maus empresários e PhDs de aluguel. Em termos de Brasil, estamos vendo o barco afundar e ninguém diz nada. Franselmo deixou mulher e uma filha.

Este livro é sobre açúcar enquanto componente da dieta. Num primeiro momento a luta é para impedir que o açúcar vá parar na barriga das pessoas. Mais adiante talvez seja o caso de se estender a luta contra a idéia do álcool como substituto do petróleo. Porque diante disso tudo fica a pergunta: de um ponto de vista humanoexistencial vale a pena tanto sofrimento, tanta destruição da natureza se arrastando já há séculos?

Se fosse para alimentar a humanidade, estaria justificado. Mas para alimentar o tanque de combustível de automóveis particulares, para causar as mais vergonhosas epidemias da humanidade, e encher de dinheiro os cofres dos traficantes de açúcar, é um pouco demais... um pouco demais... um pouco demais..."

Primavera Silenciosa, de Rachel Carson, é relançado no Brasil pela Editora Gaia
Páginas: 328 - Preço: R$ 29,90 a R$ 49,00

“Quarenta anos atrás, esta obra aplicou um choque galvânico na consciência pública e, como resultado, infundiu ao movimento ambientalista uma nova substância e significado”, segundo Edward O. Wilson.  

Para quem não sabe ou nunca ouviu falar, o planeta Terra deve muito a Rachel Carson, uma cientista norte-americana que, no início da década de 1960, publicou Primavera silenciosa, obra que, mesmo tendo no título uma expressão poética, foi o estopim que deu forma a um novo e poderoso movimento social que alterou o curso da História.

Carson, pesquisadora rigorosa com talento de romancista, causou uma verdadeira revolução em defesa do meio ambiente a partir do lançamento de seu livro, em 1962. A obra, escrita em pouco mais de quatro anos, apresenta inúmeros documentos científicos de diferentes fontes, comprovando as afirmações da autora que desencadearam uma investigação no governo Kennedy.

De imediato, inspirou a rede de tevê CBS a produzir um documentário, assistido por 15 milhões de telespectadores, que mostrava os efeitos nocivos do DDT à saúde, fato que poderia, inclusive, alcançar mais de uma geração, uma vez que resíduos dessa substância tóxica podem ser encontrados no leite humano.

Revolução

 O clamor que se seguiu à publicação de Primavera silenciosa forçou o governo a proibir o uso de DDT e instigou mudanças revolucionárias nas leis que preservam o ar, a terra e a água, com a criação, em 1970, da Agência de Proteção Ambiental Norte-Americana. A paixão de Rachel Carson pela questão do futuro do planeta refletiu poderosamente por todo mundo e seu livro foi determinante para o lançamento do movimento ambientalista.

Esta edição apresentada pela Editora Gaia inclui um posfácio do escritor e cientista Edward O. Wilson e uma introdução da biógrafa Linda Lear, que discorre sobre a história corajosa de Carson na defesa de suas convicções diante do ataque impiedoso e covarde da indústria química logo após a publicação deste seu livro e antes de sua morte prematura, em 1964.

Em 2000, a Escola de Jornalismo de Nova York consagrou Primavera silenciosa como uma das maiores reportagens investigativas do século XX. Em dezembro de 2006, premiando a memória e o legado de Rachel Carson, o jornal britânico The Guardian conferiu a ela o primeiro lugar na lista das cem pessoas que mais contribuíram para a defesa do meio ambiente de todos os tempos.   

Leia o posfácio na íntegra > aqui




Robert Cohen estudou psicologia fisiológica e fez especialização em psicobiologia no Southampton College da Universidade de Long Island, além de realizar pesquisas científicas no campo da psiconeuroendocrinologia onde estudou a influência dos hormônios sobre a química do cérebro e o comportamento subseqüente dos mamíferos. A sua formação acadêmica inclui cursos de genética, endocrinologia, histologia e fisiologia dos mamíferos. Dedicou vários anos de sua vida à pesquisa do material que constitui a base principal deste livro, documentando a existência de permanente lobby político que confundiu a opinião pública omitindo pesquisas que provaram que o leite não é um bom alimento.

Leite: alimento ou veneno?
Autor: Robert Cohen
Edição: 2005 - Páginas: 354
Editora: Ground/Aquariana

Além dos males à saúde, em grande parte graves e fatais, a pecuária é ambientalmente destrutiva, eliminando gigantescas extensões de florestas para pastagem do gado e não conhece limites, avançando também sobre áreas protegidas.
 

O leite contém poderosos hormônios de crescimento provenientes de vacas tratadas com proteína bovina geneticamente modificada. Essa realidade existe em todos os países onde o leite é consumido. Um desses hormônios produzido artificialmente é bastante conhecido: é o terrível PROSILAC.

A denúncia foi trazida à luz pela engenharia genética e colocou a indústria de laticínios americana sob uma investigação rigorosa.

Uma das conseqüências mais preocupantes do hormônio de crescimento bovino é que ele aumenta os níveis de um poderoso hormônio de crescimento, o IGF-I.

O IGF-I é um fator chave no crescimento e proliferação do câncer. O autor não espera que você aceite essas descobertas chocantes sem provas, por isso, pega você pela mão e mostra as camadas de fraude científica perpetuada pela FDA e com a ajuda de várias revistas científicas.

Fruto de exaustiva pesquisa, este livro investiga como foram usados bilhões de dólares da indústria de laticínios norte-americana para influenciar a FDA e o Congresso americano assim como a comunidade científica e médica, enganando o consumidor sobre os perigos do leite e produtos dele derivados.

Comprimidos para dor de cabeça, sprays para nariz entupido, descongestionantes e anti-histamínicos para aliviar sintomas de alergias enchem as prateleiras das drogarias e farmácias. São necessários laxativos para aliviar gases intestinais, inchaço, diarréia e síndrome de intestino irritado causado por intolerância à lactose, que incomodam ¾ da humanidade.

Meticulosamente documentado, escrito num estilo informal e cheio de vida, pontuado de humor irreverente, este livro vai mostrar que o leite é um perigo real para a sua saúde. Não se preocupe com o que você vai pôr nos flocos de cereais. O autor oferece muitas sugestões para substituir o leite.

O novo dilúvio - População, Poluição e Clima Futuro
Autor: Antony Milne

 

O ambientalista Antony Milne acredita que em breve seremos devorados pelas mudanças climáticas, poluição e crescimento populacional. Segundo Milne, quase dois terços da Terra poderão submergir com o degelo das camadas polares provocado pelos buracos na camada de ozônio e pela devastação das florestas.

O "Novo Dilúvio" apresenta de forma clara e extremamente didática as ocorrências de fenômenos em todo o planeta que acabam por corroborar a tese apocalíptica de Antony Milne. O pior é que o cenário traçado não tende a ser alterado, já que nossa sociedade continua mantendo sua inércia e as ações que precipitam a situação, quer em nível nacional, quer transnacional.

Editora Gaia Ltda, uma divisão da
GLOBAL EDITORA E DISTRIBUIDORA - tel: (11) 3277-7999 - fax: (11) - 3277-8141 - R. Pirapitingüi, 111 - Liberdade - CEP: 01508-020 - SP.

Deus, Um Delírio (God, A Delusion)
Richard Dawkins

Neste livro, Richard Dawkins, biólogo evolucionista, não tenta provar que Deus não existe. Pois afinal, como ele mesmo diz, também não podemos provar que unicórnios, gnomos e fadas dos dentes não existam, mas não temos nenhum motivo para acreditar neles. O que ele argumenta, de forma bem convincente, é de que é apenas mais sensato não ter essa fé cega. Sem dúvida, devemos sempre questionar o conhecimento que nos é passado, para termos certeza de que não estamos perpetuando preconceitos e tradições absurdas.

A grande história da evolução - Richard Dawkins

A árvore da vida percorrida numa peregrinação de 4 bilhões de anos. Os integrantes da jornada se encontram a cada entroncamento, contam suas histórias e ressaltam as maravilhas da natureza e as revelações da biologia evolutiva. Um trabalho enciclopédico por um dos maiores evolucionistas da atualidade!

A Grande História da Evolução é uma peregrinação ao longo da árvore genealógica da vida. Partindo de onde estamos hoje, passamos por quarenta entroncamentos onde nos deparamos com ancestrais e peregrinos que vêm de outros ramos. O ponto de chegada situa-se há 4 bilhões de anos, na origem da vida.

A paisagem que se descortina durante a viagem expõe uma amostra da diversidade da natureza e também explora como entendê-la. O leitor chega ao fim do percurso maravilhado e enriquecido com novas idéias e reflexões. Uma enciclopédia da vida para ler, reler e consultar.

A utopia ou a morte - René Dumont

No livro, como uma profecia, o autor denuncia o consumismo, a destruição dos recursos naturais, que são finitos, até a exaustão, seguindo o modelo norte-americano e europeu, de consumo, para gerar mais empregos, mais crescimento, numa lógica absurda e destrutiva. E esse quadro se agrava com a explosão demográfica, sem controle, sem planejamento, principalmente entre a população pobre.

René Dumont foi escritor e Engº Agrônomo de formação e teve papel fundamental na crítica as políticas de desenvolvimento e meio ambiente no pós-guerra. Era conhecido como o "agrônomo da fome", líder da luta contra a exploração predatória dos recursos naturais e um dos pioneiros da ecologia. Foi professor emérito do Instituto Nacional Agronômico, da França. Suas campanhas em defesa do meio ambiente começaram ainda nos anos vinte, quando, em viagem pela Ásia, denunciava a má utilização da terra nos territórios coloniais.

Escreveu mais de 40 livros, entre os quais best-sellers mundiais como "A utopia ou a morte", de 73, e "O crescimento da fome", de 74.

Editora Paz e Terra

Eu, Primata (My Inner Ape) – Frans de Waal

Será que somos tão diferentes dos outros animais como gostaríamos de pensar? Antigamente nos diferenciávamos por dizermos que éramos a única espécie a criar ferramentas. Isso já se provou não ser verdade. Já dissemos que éramos os únicos animais racionais, o que tampouco é verdadeiro. Muita gente ainda mantém essa crença de que somos “especiais” dizendo que somos os únicos capazes de realizar o verdadeiro altruísmo. Como explicar então o modo como um chimpanzé ajuda um pássaro com a asa machucada a alçar vôo? Por quê um gorila ajudaria e embalaria no colo uma criança humana que caiu no fosso do zoológico? Recomendamos a leitura desse livro. Editora: Companhia das Letras, 328 págs.

A Vingança de Gaia – James E. Lovelock

Um livro necessário para quem quer conhecer, cientificamente, o futuro do planeta e dos que nele habitam. Até onde sabemos, James Lovelock foi uma das primeiras pessoas a alertar o mundo sobre o aquecimento global, a influência da ação humana e suas terríveis conseqüências.

James Lovelock é um dos pais do movimento verde e autor e entusiasta da Teoria de Gaia, que acredita ser a Terra um organismo vivo, que sabe se defender do ataque de parasitas. E, neste momento, avisa ele, os parasitas somos nós, que exploramos sem dó os recursos naturais do planeta e empesteamos a atmosfera com gases poluentes.

The Consumer’s Guide to Effective Environmental Choices – Union of Concerned Scientists (1999)

"O Guia do Consumidor para Escolhas Ambientais Eficientes".

Em tempos tão caóticos e que as pessoas estão abertas a mudar de comportamento para diminuir seu impacto no planeta, seria bom que esse livro fosse mais divulgado. Até onde sabemos não foi publicado em português, mas o título traduzido seria: O Guia do Consumidor para Escolhas Ambientais Eficientes. Foi elaborado pela União dos Cientistas Preocupados, uma ONG que luta proteção do meio ambiente e por um mundo mais seguro. O livro compara as atividades humanas que geram mais destruição do meio ambiente e dá dicas, baseadas em fatos científicos, de que ações podemos tomar que causaram uma maior redução do nosso impacto. O livro pode ser comprado pela internet e dá também para ler o primeiro capítulo do livro online.



Nação Fast Food – Eric Schlosser (2002)
(Fast Food Nation)


Na nossa ânsia de progresso, copiamos os países industrialmente mais desenvolvidos em tudo até no que eles têm de pior. No caso do “fast food”, importamos até o nome. Em  "Nação Fast Food", o jornalista norte-americano Eric Schlosser expõe toda a podridão por trás de cadeias de fast-food como McDonald’s e Burger King.

Ele relata o fato de a carne dos hambúrgueres estar contaminada com fezes e bactéria E. Coli (
Escherichia coli) devido à uma linha de produção mais rápida que o sugerido para que se tomem mínimos cuidados, pois ao serem removidos às pressas os intestinos dos bois acabam se rompendo e liberando o seu conteúdo (esterco).

Schlosser relata que um estudo do Ministério da Agricultura dos E.U.A. apontou que 78,6% da carne moída analisada continha micróbios que se espalham principalmente por matéria fecal. O jornalista comenta também a exploração de imigrantes mexicanos ilegais, que sofrem acidentes como amputações na linha de produção e não recebem indenizações, e até os chamados
McJobs.

Priorize livrarias pequenas e independentes, mas este livro também está a venda na internet. Editora Ática - Ano: 2002 - Número de páginas: 405

O Macaco e a Essência - Aldous Huxley

O escritor inglês Aldous Huxley (1894-1963) inicia este livro, publicado em 1948, com a descoberta de um roteiro de cinema por dois amigos, um deles roteirista em Hollywood. O texto relata um hipotético e sombrio futuro da humanidade. Devastado por explosões nucleares após a Terceira Guerra Mundial, o planeta é habitado no século 22 por sobreviventes tentando fazer frente aos efeitos da radiação, que causaram horríveis deformações nos seres vivos, além do retorno da civilização a uma era primitiva.

Editora Globo, SP - 202 págs.
 

Jaulas Vazias - Tom Regan

O primeiro livro de Tom Regan, um dos maiores expoentes mundiais de defesa dos animais, publicado no Brasil - é sua mais recente, completa, original e iluminadora defesa dos direitos animais. Com calma e lucidez, como em uma conversa franca e direta com o leitor, Tom Regan argumenta que devemos reconhecer que os animais também têm direito à vida, à integridade física e à satisfação de necessidades biológicas, individuais e sociais.

Editora Lugano - 266 págs.

Libertação animal - Peter Singer

A polêmica levantada toda vez que uma personalidade resolve usar ou divulgar roupas feitas com peles de animais e a busca por alternativas ao uso de ratos, cães, porcos e outros bichos em experimentos feitos por universidades, laboratórios e indústrias refletem a crescente preocupação, dentro e fora da comunidade científica, em relação ao bem-estar dos animais. Um dos principais impulsos para essa conscientização foi a publicação do livro "Libertação Animal", do filósofo australiano Peter Singer, em 1975. Considerada a bíblia sobre o tema, a obra, que já foi traduzida para o chinês, coreano, japonês e para a maioria dos idiomas europeus, acaba de ser publicada no Brasil.

Editora Lugano, Porto Alegre. - 357 págs.

Ecologia e Cidadania - Carlos Minc
 

Ecologia não é caso de polícia. Nunca haverá um fiscal para cada empresa que deixa vazar lixo químico irregularmente ou para cada pessoa que jogue lixo na praia. O destino é mudar as mentalidades e os comportamentos. A base é a educação ambiental em toda a sua plenitude. Agora, diante dos graves desafios que emergem neste final de século - a desertificação, o aquecimento global, a ameaça do degelo antártico -, as utopias ambientalistas retornam como soluções reais e inadiáveis. Carlos Minc é um dos líderes da Ecopolítica. Esteve sempre no campo de luta e nunca se escondeu atrás do "muro das lamentações". Em Ecologia e Cidadania, ele questiona, filosofa, denuncia, aponta caminhos. Propõe a necessidade de criar parcerias, para uma gestão realmente participativa dos recursos ambientais.

Informações:
Editora Moderna - Rua Padre Adelino, 758 - Belenzinho - São Paulo - CEP 03303-904 - Tel.: (11) 2790.1300 - Tel.: (11) 2602.5510 -

www.moderna.com.br

Ecologia: Grito da Terra, Grito dos Pobres - Leonardo Boff

A ecologia não trata apenas das questões ligadas ao verde ou às espécies em extinção. A ecologia significa um novo paradigma, quer dizer, uma nova forma de organizar o conjunto de relações dos seres humanos entre si, com a natureza e com o seu sentido neste universo. Ela inaugura uma nova aliança com a criação, aliança de veneração e de fraternidade. Não fomos criados para estarmos sobre a natureza como quem domina, mas para estarmos junto com ela como quem convive como irmãos e irmãs. Descobrimos assim nossas raízes cósmicas e nossa cidadania terrenal. Hoje não apenas os pobres devem ser libertados, mas também a Terra deve ser libertada do cativeiro de um tipo de desenvolvimento que lhe nega a dignidade, dilapida seus recursos e quebra o equilíbrio costurado em milhões de anos de trabalho cósmico. O grito dos pobres vem articulado com o grito da Terra. Daí se amplia a teologia da libertação verdadeiramente integral e universal, porque concerne a todos e ao planeta inteiro.

Educação Ambiental - Princípios e Práticas
Genebaldo Freire Dias


O livro é uma publicação da Editora Gaia e contém 552 páginas. Ele mostra que a educação ambiental se tornou necessária para as mudanças de hábitos e estilo de vida para a sustentabilidade humana na Terra. 

O autor Genebaldo Freire Dias revela mudanças nas diretrizes que regulamentam as Leis para o cuidado com o Meio Ambiente no Brasil. 

Nesta sexta edição, o livro consagrado como um clássico para a literatura do Meio Ambiente, reúne um conjunto de informações fundamentais para a compreensão e a promoção do processo de Educação Ambiental formal e não-formal. 

O livro apresenta de forma comentada, os textos das grandes conferências internacionais sobre Educação Ambiental, promovidas pela Unesco e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), desde a realizada em 1975 em Belgrado até a de Tessalônica em 1997. 

Resumo de Direito Ambiental - Jair Teixeira dos Reis

A presente obra aborda o direito ambiental no ordenamento jurídico brasileiro e internacional, explorando temas vinculados ao meio ambiente cultural, artificial, do trabalho e natural.

Princípios Gerais de Direito Ambiental, Aplicabilidade dos Tratados Internacionais de Meio Ambiente, Tratados Internacionais Sobre Direito Ambiental, Meio Ambiente como Objeto do Direito, Instrumentos de Proteção ao Meio Ambiente do Trabalho, entre outros.

Informações: www.editoraimpetus.com.br

Manual de Direito Ambiental e Legislação Aplicável
 

Autores: Celso Antonio Pacheco Fiorillo e Marcelo Abelha Rodrigues

Um completo manual didático sobre direito ambiental enriquecido comtoda legislação aplicável, reunidos em um só volume.
 

Editora Max Limonad, São Paulo

O celular e seus riscos

Autor: Vitor BARANAUSKAS

Este livro responde a inúmeras dúvidas sobre os riscos potenciais dos atuais telefones celulares e das antenas das Estações Rádio Base. O autor procura responder às principais questões em linguagem coloquial, passível de ser entendida por especialistas de diversas áreas e pelo público em geral.

Editora: VITOR BARANAUSKAS

Desmatamento na Amazônia: indo além da "emergência crônica"

88 págs - 14,297 Kb - download gratuito > clique aqui

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – IPAM
Woods Hole Research Center – WHRC
Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA/UFPA
Center for International Forest Research – CIFOR
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG

Publicado pelo IPAM - Instituto de Pesquisas da Amazônia -   www.ipam.org.br

"Amazônia, a floresta assassinada"

Autor: Sérgio Adeodato, editor assistente da revista Horizonte Geográfico

Tema de programas de pesquisas mundiais, as previsões sobre o desmatamento da Amazônia e seus impactos comprovam que a destruição pode ter efeitos desastrosos para o planeta.

O jornalista Sérgio Adeodato constrói um painel sobre essa questão em uma reportagem que, além de informar de maneira minuciosa, aponta soluções para acabar com a barbárie do desmatamento.

São medidas complexas que incluem maior presença do poder público, mobilização social e, acima de tudo, valorização econômica da floresta enquanto ela ainda está em pé.

Mais informações: www.terceironome.com.br

 



"O Tao da Física"

 


"O ponto de mutação"

 

"As conexões ocultas - ciência para uma vida sustentável"



"A teia da Vida"
 

Autor: Fritjof Capra, físico, é um dos diretores–fundadores do Centro de Eco-Alfabetização de Berkeley, Califórnia, que promove a divulgação do pensamento ecológico e sistêmico nas redes de educação primária e secundária. Capra é autor de diversos livros campeões de vendas em vários países do mundo, como o "Tao da Física", "O Ponto de Mutação" e a "Teia da Vida", um poderoso livro que nos leva a uma reflexão sobre a teoria e a vida de Gaia, segundo a qual a vida cria as condições para a sua própria existência